AHBVPD

Um da história da nossa cidade e da nossa Associação.

  • Por volta do ano de 1450, Ponta Delgada nasceu ao redor da Calheta de Pero de Teive, formando aí uma aldeia piscatória que, com o decorrer do tempo, se foi estendendo até Santa Clara.

    "Esta cidade de Ponta Delgada é assim chamada por estar situada junto de uma ponta de pedra de biscouto, delgada e não grossa como outras da ilha, quasi raza com o mar, que depois, por se edificar mui perto d'ela uma ermida de Santa Clara, se chamou ponta de Santa Clara..."
    Gaspar Furtuoso (cronista micaelense do século XVI).

    Mais tarde, gente experiente na exploração da terra começou a instalar-se no povoado, promovendo o negócio e desenvolvendo de tal forma o local que, no ano de 1499, o rei D. Manuel I, reconhecendo o seu desenvolvimento social, determinou a sua elevação a Vila.

    Rapidamente a Vila de Ponta Delgada conseguiu superar a primeira Vila existente na ilha de São Miguel - Vila Franca do Campo, a maior e mais importante urbe dos Açores, infelizmente destruída por um violento sismo em 1522.

    Foi de tal foma eficiente a sua administração e notório o seu progresso que, por carta régia de 2 de Abril de 1546, o rei D. João III eleva Ponta Delgada a cidade.

    Hoje em dia, Ponta Delgada é o concelho dos Açores que mais população e actividades económicas concentra. Os seus 233,7 km2 de área são ocupados por cerca de 66 mil habitantes (28% da população dos Açores), proporcionando uma densidade populacional de 282 hab/km2, muito acima dos 104 hab/km2da Região. No total 24 freguesias constituem Ponta Delgada, o maior em área e população de todos 19 concelhos do arquipélago dos Açores. O concelho tem a sua sede na cidade de Ponta Delgada, que é constituída por quatro freguesias: Santa Clara, São José, São Sebastião e São Pedro.

    Morfologicamente este concelho é bastante montanhoso, culminando no maciço das Sete Cidades com cerca de 856 metros. Aqui também se podem encontrar as lagoas das Sete Cidades, do Canário, do Carvão, Rasa, entre outras. A linha da costa é constituída por falésias e baixios rochosos, existindo algumas praias de areia escura.

    O clima no concelho, tal como no resto dos Açores, é marítimo e ameno, assistindo-se a fracas amplitudes térmicas, com as temperaturas médias anuais a oscilarem entre os 14 e os 25 graus centígrados.

  • No início do século XIX, Ponta Delgada começou a mostrar um importante desenvolvimento urbano, surgindo a necessidade de se organizar um serviço de extinção de incêndios. Foi em 1839, sob a vereação camarária de Manuel Teixeira Soares que foram criados os primeiros três postos de socorro a incêndios, espalhados pelas três freguesias da cidade.

    Volvidos alguns anos de funcionamento daquele serviço, em 5 de Agosto de 1879, o Presidente e um vereador da Câmara Municipal de Ponta Delgada, reuniram com um grupo de cidadãos, tendo fundado a Associação dos Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada.

    Os sócios activos contituíam a companhia de trabalhos que se dividia em três secções, cuja articulação era garantida por regras de funcionamento hierárquico. No teatro das operações, toda a estrutura obedecia ao chefe da companhia de trabalhos que, por sua vez, devia obediência à voz do comando do inspector de incêndios.

    Em 1902 é negociado um acordo de responsabilidade entre a Câmara Municipal e a Associação, dando-se a fusão dos dois corpos de bombeiros: os municipais e os voluntários.

    A Associação Humanitária de Ponta Delgada, nesta sua existência de mais de cem anos, sediou-se em diversos locais da cidade. De 1881 a 1900 na Rua do Gaspar (hoje Rua Dr. Bruno Tavares Carreiro), passando para a Rua do Aljube nº. 16, até ao ano de 1912, data em que se mudou para a antiga Rua da Loiça nº. 43 (actual Rua Manuel da Ponte). A velha aspiração de um edifício novo concretizou-se a 14 de Dezembro de 1975, com a inauguração das instalações na Rua de São Joaquim, onde, actualmente funciona uma secção da PSP e o Banco Alimentar contra a Fome.

    Com a criação da Região Autónoma dos Açores, verificou-se uma maior proximidade dos orgãos do poder às Associações de Bombeiros. O crescente desenvolvimento de Ponta Delgada e a reorganização dos serviços de saúde e protecção civil, tornaram as instalações de São Joaquim exíguas, pelo que, com a intervenção do Governo Regional dos Açores foi possível a construção da nova sede da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada, numa zona mais ampla da cidade - São Gonçalo, inaugurada a 3 de Setembro de 2000.